domingo, 21 de março de 2021

21 de Março - Dia Mundial da Poesia

 "Não sei o que é a poesia",

-disse-lhe, esperta, a Filomena,

"mas sei o que é um poema,

se o vejo ou leio, com alegria."


"Não sei como se faz a poesia",

-disse-lhe, atrevido, o Bento,

"mas gosto de ver pensamento,

emoção e palavras em harmonia."


"Não sei p´ra que serve a poesia",

-disse-lhe, ousado, o Tomás,

"mas o pouco que serve ou faz,

é para a vida uma mais-valia".


"Raramente entendo a poesia",

-disse, destemida, a Catarina,

"mas, pelo ritmo e pela rima,

sinto-me cativada, em demasia".

João Manuel Ribeiro, Os dias mundiais e outros que tais

Se o poema não serve para dar o nome às coisas
outro nome e ao silêncio outro silêncio, se não serve para abrir o dia
em duas metades como dois dias resplandecentes
e para dizer o que cada um quer e precisa
ou o que a si mesmo nunca disse.


Se o poema não serve para que o amigo ou a amiga
e
ntrem nele como numa ampla esplanada
e se sentem a conversar longamente com um copo de vinho na mão
sobre as raízes
do tempo ou o sabor da coragem
ou como tarda a chegar o tempo frio.

Se o poema não serve para tirar o sono a um canalha
ou ajudar a dormir o inocente
se é inútil para o desejo e o assombro,
para a memória e para o esquecimento.

Se o poema não serve para tornar quem o lê
num fanático
que o poeta então se cale.

                            António Ramos Rosa                                               

Liberdade

LIBERDADE

O poema é

A liberdade

Um poema não se programa

Porém a disciplina

– Sílaba por sílaba –

O acompanha

Sílaba por sílaba

O poema emerge

– Como se os deuses o dessem

O fazemos

Sophia de Mello Breyner Andresen – O nome das coisas (1974-75)